Arquivo da categoria: Actualidades

Informação – Adiamento 1ºCongresso ANDO

Temos vivido tempos únicos de confinamento e distanciamento social devido à pandemia por COVID-19 e com muita pena, vimos informar que o 1º Congresso ANDO terá de ser adiado para Junho 2021, datas ainda a confirmar.

Queremos contudo que seja possível existir um outro momento de encontro em 2020 em que seja possível assegurar condições de segurança.

A ANDO está assim a preparar o 4º Encontro Nacional ANDO, para os dias 12 e 13 de Setembro de 2020, em Évora. Serão 2 dias de reunião em espaços abertos, de conversa, com apresentação e discussão de alguns temas previstos abordar no Congresso; e de atividades lúdicas e socioculturais.

O programa está em preparação que divulgaremos logo que possível assim como a página online para inscrição com todas as informações.

Reservem estas datas!

A ANDO na Madeira

19 Maio 2020

A revista Saber Madeira publicou na sua última edição um artigo sobre a representação da ANDO na Região Autónoma da Madeira. Este passo da ANDO na Madeira deve-se ao apoio incansável da Claúdia Aguiar, fisioterapeuta, sócia da ANDO e desde Março 2020, tesoureira da Direção, que tem trabalhado na dinamização de iniciativas com pessoas com displasias ósseas e feito apresentações públicas em eventos relacionados com a saúde.

Estamos mais perto!

Atualização – Estudos para a acondroplasia em Portugal

Estão a decorrer em Portugal, no Hospital pediátrico de Coimbra, dois estudos observacionais para a acondroplasia:

  • Estudo Dreambird da Pfizer 
  • Estudo ACHieve da Ascendis Pharma

Estudo Dreambird

O estudo Dreambird, desenvolvido inicialmente pela empresa de biotecnologia Therachon, tendo sido adquirido pela Pfizer em 2019. Este é um Estudo Observacional sobre as Características Clínicas e Antropométricas de Crianças com Acondroplasia. Aqui pode consultar a descrição original do estudo “Observational Study Investigating Clinical & Anthropometric Characteristics of Children With Achondroplasia

O estudo Dreambird tem como objetivo recolher informação sobre a evolução natural da acondroplasia durante a infância,  através da recolha de informação sobre as características da acondroplasia, dos sintomas e história clínica (exames e tratamentos) das crianças envolvidas no estudo.
 
O que é um Estudo Observacional?
 
É um estudo onde não é feita qualquer tentativa para alterar o resultado, ou seja, não é administrado qualquer tratamento, sendo somente observados e registados parâmetros específicos dos participantes, como a progressão da doença (dados retrospetivos, já passados, e prospetivos, atuais e até uma duração de 5 anos) e a taxa de crescimento.

 

O estudo Dreambird teve início no segundo trimestre de 2018, e irá incluir 200 crianças com acondroplasia com idades entre os 0 e os 10 anos e vários centros clínicos (hospitais) do mundo.

Este estudo antecede um ensaio clínico para a acondroplasia, com o fármaco inovador Recifercept. A Pfizer pretende iniciar este ensaio clínico ainda em 2020.

Estudo ACHieve

O Estudo ACHieve é um estudo de história natural concebido para perceber a experiência das crianças com Acondroplasia e alcançar um maior conhecimento global desta condição óssea rara. Este estudo começou no início de 2019 e tal como o estudo Dreambird, está a ser levado a cabo em muitos hospitais.

O estudo ACHieve teve início no primeiro trimestre de 2019, e irá incluir 200 crianças com acondroplasia com idades entre os 0 e os 8 anos e vários centros clínicos (hospitais) do mundo.

Este estudo antecede o ensaio clínico ACcomplisH, para avaliação da segurança e eficácia do TransCon CNP, um fármaco inovador para a acondroplasia. A Ascendis pretende iniciar este ensaio clínico ainda em 2020.

Limitações e condicionante pela pandemia COVID-19

A maioria dos locais envolvidos em ambos estes estudos observacionais suspenderam as avaliações das crianças envolvidas nestes estudos e serão retomadas as avaliações quando a situação pandémica atual for ultrapassada, de forma a que esteja garantida a segurança das crianças e que seja possível que os profissionais de saúde envolvidos nestes estudos, possam assegurar as visitas das crianças. 

Os coordenadores de estudo de cada um dos centros clínicos é a pessoa que indicará o regresso à rotina dos estudos, logo que tal seja possível.

Novo ensaio clínico para a acondroplasia prestes a começar – QED Therapeutics

5 Março 2020

A QED Therapeutics, Inc. (“QED”) é uma subsidiária da BridgeBio Pharma, Inc. (“BridgeBio”), que tem como objetivo proporcionar medicamentos a pessoas que vivem com doenças causadas por mudanças nos genes recetores do fator de crescimento dos fibroblastos (FGFR).

A QED está a desenvolver um medicamento que pode melhorar a saúde geral e a qualidade de vida das pessoas com acondroplasia. Este medicamento experimental chama-se infigratinib (anteriormente denominado BGJ398) e pode ser uma opção para as crianças tomarem enquanto ainda estão a crescer. O infigratinib é um pequeno comprimido tomado por via oral que atua reduzindo a atividade das proteínas chamadas de recetores do fator de crescimento dos fibroblastos, ou FGFR.

Uma vez que o aumento da atividade de um dos FGFR – FGFR3 – leva a alterações no desenvolvimento ósseo associadas à acondroplasia, limitar a sua atividade pode ter benefícios para crianças com acondroplasia.
Podem ocorrer outras doenças como resultado de alterações diferentes nos FGFR, razão pela qual o infigratinib também está a ser estudado (em doses mais elevadas) como potencial tratamento para formas raras de cancro em adultos. Embora a forma exata como o infigratinib funciona para tratar o cancro seja diferente da forma como funciona na acondroplasia, estes estudos podem dar-nos uma compreensão da segurança do infigratinib e dos seus efeitos secundários em adultos com cancro.

Estudos que utilizaram doses baixas de infigratinib em animais mostraram uma capacidade de melhorar o crescimento ósseo irregular. Agora, a QED e os seus parceiros científicos estão a desenvolver mais investigação em animais para compreender melhor como o infigratinib pode atuar em crianças com acondroplasia.

O estudo PROPEL

Este estudo visa compreender melhor os padrões de crescimento e as possíveis complicações médicas nas crianças com acondroplasia, observando as alterações ao longo do tempo com os cuidados médicos de rotina. Muito se aprenderá através do PROPEL, mesmo que não seja administrado nenhum medicamento no estudo.

Ensaio clínico

No 1º trimestre de 2020, a QED planeia arrancar com o primeiro estudo clínico que estuda o do medicamento experimental infigratinib na acondroplasia, que irá explorar a segurança e a potencial eficácia do infigratinib em crianças com acondroplasia. As crianças que tenham participado no estudo PROPEL durante pelo menos seis meses podem ser elegíveis para participar neste ou noutros estudos futuros com infigratinib.

Podem encontrar mais informações sobre este estudo aqui

Informações cedidas pela QED Tx

Criação de linha de vestuário para displasias ósseas – questionário de medidas

A ANDO Portugal iniciou uma parceria com uma  profissional do vestuário do norte de Portugal, a Teresa Vasques, para a criação de uma linha de vestuário para pessoas com displasia óssea.

Um dos fatores de qualidade de vida e bem estar é termos roupa adequada e ajustada ao nosso corpo e idade. Daí este projeto ser muito importante para a ANDO!

Num trabalho em colaboração, desenvolvemos o questionário que se segue para recolha de medidas corporais, incluindo também algumas questões relevantes para compreender as necessidades das pessoas com displasias óssea, como por exemplo a peça de roupa que é mais difícil de vestir e despir.

O objectivo deste projecto é criação de peças de roupa confortáveis, bonitas e acessíveis, para pessoas com displasia óssea, que poderão ser adquiridas com alguns clicks, em loja online.

Responda ao questionário de Levantamento de Medidas aqui

Imagens do questionário

A vossa colaboração é essencial para que este projeto nacional se torne realidade e possa chegar a todos.

Colaborem e divulguem, por todos os vossos contactos com displasias.

Questionário em Português – Levantamento de medidas

Questionário em Espanhol (medidas em cm e kg) – Levantamiento de medidas

Questionário em Inglês (medidas em polegadas e libras) – Size chart questionnaire

Questionário em Inglês (medidas em centímetros e kg) – Size Chart questionnaire

Estudo sobre ganho de peso em lactentes com acondroplasia

Foi publicado em Outubro de 2019 um estudo sobre a evolução ponderal, ou ganho de peso, de lactentes com acondroplasia.

Weight gain velocity in infants with achondroplasia“, foi publicado no American Journal of Medical Genetics, uma revista científica dedicada ao estudo das causas, dos sintomas e da abordagem de doenças congénitas e genéticas humanas.

A alimentação adequada no primeiro ano de vida é importante para a saúde a curto e longo prazo de todas as crianças, e existem riscos associados a ambas, na alimentação excessiva ou em défice (subalimentação). A adequação da alimentação é geralmente avaliada com base no ganho de peso e peso/comprimento, e sabe-se que crianças com displasias ósseas que causam baixa estatura, como a acondroplasia, tem parâmetros de evolução nestas escalas que se distinguem dos de crianças com estatura média.

 Existem curvas para a avaliação do peso e comprimento adequadas para lactentes e criança com acondroplasia em vários países. No entanto, estas curvas não são de acesso generalizado fora de consultas especializadas.

Curvas de crescimento. População argentina. Créditos: del Pino M et al, 2011

No site do Beyond Achondroplasia poderá aceder às curvas mais usadas atualmente.

Este estudo avaliou retrospectivamente (utilizando dados previamente recolhidos) registos de 60 crianças com acondroplasia, avaliadas entre 1998 e 2018

Resultados

  1. A distribuição global da velocidade de ganho de peso ronda as 10-15g/dia entre o nascimento e os 12 meses de idade, podendo variar entre as 8 e 18 g/dia. 
  2. O ganho de peso foi mais acentuado nos primeiros 3 meses, em que a média foi de 23g/dia –  correspondendo aproximadamente ao percentil 3 de ganho de peso dos lactentes sem displasias ósseas.

Estes resultados confirmam que o ganho de peso adequado em lactentes com acondroplasia é mais lento do que em lactentes de estatura média, e é coerente com as curvas de peso adaptadas disponíveis.

Bebé com acondroplasia. Créditos: Beyond Achondroplasia

Lactentes com acondroplasia tipicamente duplicam o peso que tinham ao nascimento aos 12 meses, mas não o chegam a triplicar, enquanto que lactentes sem displasias ósseas tendem ter triplicado o peso por volta desta idade.

Se avaliados pelas curvas de crescimento padrão, metade dos lactentes com acondroplasia seriam classificados como tendo insuficiência estatura-peso, quando na realidade podem estar dentro do adequado para esta população.

Assim, é importante que os profissionais de saúde a fazer seguimento de lactentes e crianças com acondroplasia sejam informados destas diferenças na evolução do peso, e utilizem curvas de crescimento adaptadas, de modo a evitar sobrealimentação e a identificar o baixo peso “verdadeiro” quando este existir.

Resumo gentilmente elaborado pela Dra. Maria Abreu

Referências

  1. Buratti MEEickhoff JModaff PPauli RMLegare JM, “Weight gain velocity in infants with achondroplasia” Am J Med Genet A. 2020 Jan;182(1):146-149
  2. del Pino MFano VLejarraga H, Growth references for height, weight, and head circumference for Argentine children with achondroplasia, Eur J Pediatr. 2011 Apr;170(4):453-9.

“O papel do Fisioterapeuta nas Displasias Ósseas” – poster na TSDT RAM

Poster na TSDT RAM

No dia 30 de Novembro 2019, a ANDO Portugal marcou presença no II Encontro dos Técnicos Superiores de Diagnóstico e Terapêutica da Região Autónoma da Madeira com o poster “O papel do Fisioterapeuta nas Displasias Ósseas “, da autoria da jovem Fisioterapeuta Joana Parreira (Escola Superior de Saúde de Leiria- ESSLei; ES Porto) e da Dra. Inês Alves, presidente da ANDO. O poster promoveu o trabalho de pesquisa individual e colaborativa, cujo com ponto principal foi a Bolsa ANDO, ganha pela Joana nesta primeira edição de 2019. O trabalho realizado informa sobre parcerias com as escolas superiores, instituições ou pessoas que contribuíram para o seu desenvolvimento e sucesso. A Joana Parreira está ainda a trabalhar num outro documento sobre a acondroplasia e pseudoacondroplasia a apresentar em breve. Muitos Parabéns à Joana!

O poster  esteve exposto durante o dia do congresso e os participantes tiveram a oportunidade de retirar as suas dúvidas e realizar as suas perguntas com a Fisioterapeuta Cláudia Aguiar, representante da ANDO Portugal, uma vez que os autores foram convidados a estar junto dos cartazes durante os coffee breaks.

Plateia na TSDT RAM

O II Encontro de TSDT RAM, que ocorreu no Hotel Vila Galé Santa Cruz foi dedicado ao tema “Do Diagnóstico à Terapêutica”, e, contou com a presença do Secretário Regional da Saúde e Protecção Civil Dr. Pedro Ramos, bem como a Presidente do Conselho de Administração do SESARAM, Dra. Rafaela Fernandes, entre outras entidades oficiais presentes. Todos os temas abordados permitiram uma vasta partilha de conhecimentos entre os profissionais de saúde (regionais e nacionais) de diversas especialidades ali presentes e permitiram dar mais um passo em direcção da melhoria, eficiência e excelência dos serviços disponibilizados no acompanhamento ao utente.

Zona dos posters

Parabéns a toda a comissão organizadora, representada na pessoa da Presidente da Associação TSDT-RAM, Dra. Marisa Gonçalves, por todo o empenho, dedicação e trabalho que permitiram aos 200 profissionais presentes saírem mais enriquecidos depois deste dia de intenso trabalho e partilha.

Por último, tudo isto foi possível pela ação e dinamização da Cláudia Aguiar, a quem agradecemos todo o apoio e representação da ANDO.

Apresentação do livro”Deficiência, Nanismo e Mercado de Trabalho”

No passado sábado, dia 21 de setembro 2019, Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência no Brasil, falou-se de Displasias Ósseas em Portugal.
Foi apresentada, no Palácio Baldaya em Lisboa, a obra pioneira no nosso país intitulada ” Deficiência, Nanismo e Mercado de Trabalho – Dinâmicas de inclusão e exclusão“.

Pedimos umas palavras sobre este momento ao autor, amigo e sociólogo, Raul Tomé.


Contámos com a casa cheia. Cheia de gente que se importou, cheia de gente que quis saber mais sobre Displasias Ósseas, cheia de gente que quis aprender, cheia de gente que quis contribuir para esta causa.
Gente que não ficou em casa num dia de chuva copiosa, gente que a chuva não demoveu, gente que compareceu por um desígnio maior.
Connosco e sempre de mão dada esteve a ANDO Portugal, representada por Lia Silva, cujo enriquecedor contributo nos deixou a todos de coração cheio.
Existiram desabafos, lágrimas, gratidão e generosidade.
E ficou a esperança de que podemos e devemos, sempre, acreditar.
Ficou a certeza de que estamos no caminho certo, de que o futuro é nosso e de que ainda há tanto por fazer. A certeza de que não podemos desistir. Nunca!
Ficou, ainda, a inabalável convicção de que não estamos sós!
A todos e a todas, o nosso profundo agradecimento.
Fica a promessa de que não iremos parar e de que continuaremos a fazer mais, muito mais! Sempre mais!
OBRIGADO

Muito Obrigado, Raul, pelo trabalho e dedicação e apoio incondicional à ANDO portugal.

Deficiência, Nanismo e Mercado de Trabalho

“Deficiência, Nanismo e Mercado de Trabalho – Dinâmicas de Inclusão e Exclusão” é o título do primeiro livro de Raul Tomé, Sociólogo ex-cronista do Jornal de Negócios.

Nota do autor:

Tendo presente que o corpo pode apresentar desvantagens relativamente à estética, à dinâmica e à performance exigida e/ou expectável, o presente livro focar-se-á na deficiência específica do nanismo, indivíduos sobre os quais quase nada se sabe dada a sua invisibilidade social, o seu reduzido número em Portugal e a escassez de estudos sobre tal população.  

A temática em apreço assume especial importância numa época em que é aclamado o direito à igualdade e se produz vasta legislação antidiscriminatória, bem como a implementação de políticas públicas que preveem diversificados incentivos financeiros à contratação destes indivíduos. A ineficácia que a legislação tem evidenciado ao longo do tempo, conduz à necessidade de se procurarem as causas desse fato e de examinar a existência de alguma relação entre tal ineficácia e o desconhecimento que os atores sociais dela possam ter.  

Raul Tomé

Raul Tomé apresentou a sua tese de mestrado no 1º Encontro Nacional ANDO, em 2017, também sobre a inclusão e empregabilidade de pessoas com nanismo.

Estará presente no 3º Encontro Nacional ANDO, com a apresentação “Emprego e oportunidades no mercado de trabalho”. E será lançando, no mesmo dia, o seu livro “Deficiência, Nanismo e Mercado de Trabalho – Dinâmicas de Inclusão e Exclusão”. O livro estará à venda pela primeira vez no átrio do auditório da ESEC onde se realizará o Encontro, no dia 29 de Junho 2019.

Terá a oportunidade de colocar as suas questões diretamente ao Raul Tomé, assim como a muitos outros profissionais de áreas relacionadas com as displasias ósseas, nomeadamente profissionais de saúde, psicólogos e do desporto adaptado. Não perca esta oportunidade, saiba mais sobre o encontro e inscreva-se aqui no 3º Encontro Nacional ANDO.

O livro estará disponível para aquisição durante o Encontro Nacional, sendo que todos os direitos de autor, reverterão para a associação, um apoio do Raúl Tomé à ANDO.

Subscreva ao Newsletter da ANDO aqui para receber esta informação diretamente no seu e-mail.